Como embarcar na onda da Internet das Coisas e fazer parte desta revolução

Como embarcar na onda da Internet das Coisas e fazer parte desta revolução

É muito provável que você já tenha visto filmes que envolvem inteligência artificial e, se nunca viu, possivelmente ouviu falar em Matrix e toda sua tecnologia. Se todo aquele universo parecia muito distante, o fato é que não é mais apenas tema de filmes de ficção científica. A Internet das Coisas ou, em inglês, Internet of Things (IoT) deixou de ser aquela tendência da qual muito se espera para se tornar, cada vez mais, uma realidade no mercado.

Se antes era impossível imaginar, por exemplo, uma geladeira inteligente com dispositivos que permitem que ela saiba exatamente quando os ovos acabaram ou quando é momento de comprar mais molho de tomate, agora é possível. E isso acontece graças a um fator determinante no conceito e funcionamento dessa tecnologia: a conectividade. De importância essencial para o futuro dos negócios, a IoT passou a ter impacto direto na vida dos empreendedores.

E como podemos defini-la? Em resumo, a IoT é a comunicação entre máquina por meio da internet. Ou seja, a partir dela, diferentes objetos ou bens de consumo compartilham dados e informações que permitem a conclusão de determinadas tarefas. Para isso, utilizam sensores que permitem esse contato. Além disso, é necessário um sistema de computação que irá receber e analisar os dados, gerenciando as ações necessárias a cada objeto conectado nessa rede.

Vamos a um exemplo prático: imagine a geladeira da sua casa funcionando conectada por meio da IoT. Os sensores seriam capazes de reconhecer a ausência de determinados produtos. Ou seja, uma vez conectada, sua geladeira poderia reconhecer o momento de comprar novamente determinado alimento, pois seria capaz de identificar que aquele objeto não se encontra mais onde deveria estar.

A IoT já vem sendo aplicada em áreas diversas, como economia, saúde e varejo. De acordo com o Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento imparcial em tecnologia, em 2020, o mundo já contará com 50 bilhões de dispositivos conectados. O impacto disso na economia é gigante. A movimentação deve girar em torno de 1,7 trilhão de dólares.

Portanto, fica claro que a IoT não apenas tem potencial como irá impactar o mercado tanto na maneira de produzir, como na forma de consumir. O Gartner prevê também que até 2020, mais da metade dos novos negócios irão incorporar algum elemento da IoT.

Então, que tal saber como é possível embarcar nessa onda promissora, criando negócios a partir da conectividade e tecnologia propostas pela Internet das Coisas? Nós vamos te dar algumas dicas de como é possível aproveitar essa janela de oportunidade!

Oportunidades de negócio no novo mundo da Internet das Coisas

Para que a IoT possa ser eficaz, a qualidade e velocidade da comunicação são essenciais. E aí você pode se perguntar: mas como vou investir? Será que o Brasil possui estrutura suficiente de internet para suportar essa realidade? E a reposta é sim. Tanto que já há muita gente investindo, abrindo passagem para este novo mundo e, claro, lucrando com isso.

De acordo com o IDC, empresa líder em inteligência de mercado e consultoria nas indústrias de tecnologia da informação, dez tipos de aplicações eram responsáveis por 85% da receita com IoT no Brasil em 2015. Ou seja, há pelo menos dez nichos bastante promissores quando se fala em utilização de Internet das Coisas.

Em ordem decrescente de faturamento gerado, a lista de aplicações que obtiveram sucesso com a utilização de IoT no país conta com: manufatura (indústria), monitoramento de carga, gestão de frotas, prédios inteligentes, segurança e monitoramento doméstico, smart grid, segurança pública, gestão de maquinário produtivo, veículos conectados e governo.

Mas, como afinal a IoT é utilizada nestes segmentos? Na indústria, por exemplo, é possível controlar máquinas, monitorar o consumo de energia e gerar informação de entrada e estoque, objetivando a redução de custos do processo produtivo. Mas as vantagens vão além. A IDC realizou também uma pesquisa sobre a adoção da IoT entre executivos de empresas nacionais de grande porte e as principais razões apontadas para o investimento na Internet das Coisas foram os benefícios gerados, como: melhorar o time-to-market, aumentar a produtividade e melhorar a tomada de decisão.

Além dos segmentos apresentados acima, existem outros nichos paralelos que podem ser beneficiados por soluções IoT. Segundo a Mobile Time, a mais popular é a casa conectada, seguida por varejo, manufatura, wearable devices, cidades inteligentes medicina e carros conectados. Ou seja, existe uma infinidade de possibilidades que podem ser exploradas. Fornecer essa tecnologia e propiciar a conexão nestes nichos é uma oportunidade de negócio e tanto, não é mesmo?

Mas além de pensar em fornecer IoT para esses segmentos, você pode pensar também em criar soluções para essa tecnologia! Estudo do Gartner aponta que mais de um terço das empresas afirmam que já usam ou planejam utilizar novos recursos de gestão de dados separados como apoio a Internet das Coisas. Além disso, 61% esperam expandir a infraestrutura de gestão de dados já existentes na empresa.

Uma tecnologia que permite a conectividade de tal forma exige, claro, soluções a altura para que os dados gerados possam ser devidamente analisados, armazenados e geridos. Por isso, além de pensar na IoT como um nicho de aplicação, é possível pensá-la também como uma cliente que necessita de suporte.

A Internet das Coisas já é realidade e revoluciona a maneira como nos relacionamos com as “coisas”, mas pode ser também a revolução do seu negócio e, quando o assunto é tecnologia, o Inovaparq está pronto e disposto a ajudá-lo. Entre em contato e conte com o apoio dos nossos especialistas!

Comente

Este campo é obrigatório

Este campo é obrigatório

O endereço de e-mail é inválido

Enviar